Canção Nova

Sem comentários…

Indiferença e falta de apoio afastam jovens do sacerdócio

D. Jorge OrtigaArcebispo de Braga aponta causas para a falta de vocações.
O indiferentismo e agnosticismo da sociedade, e ainda a falta de apoio sentida pelos jovens em algumas paróquias, foram ontem apontados pelo Arcebispo Primaz como os maiores entraves à promoção de novas vocações religiosas e sacerdotais. D. Jorge Ortiga, que presidiu, na igreja de São Paulo, às ordenações diaconais de dois seminaristas da Arquidiocese de Braga e da Diocese angolana de Lubango, admitiu que as escolhas de cariz vocacional enfrentam inúmeras «tribulações», ultrapassáveis apenas através do «culto espiritual».

Continue a ler ‘Indiferença e falta de apoio afastam jovens do sacerdócio’

O tempo não volta atrás

Quantas vezes não desejei que o tempo voltasse atrás; quantas vezes não pensei: “Não devia ter feito isto” ou “se eu tivesse feito isto…”.

Este desejo reveste-se de importância mais profunda quando as minhas acções tocam as pessoas que me são próximas. É uma sensação de vazio, de desnorte. Um sentimento que me fixa no passado, desejando contornar a força imutável do tempo. O passado torna-se absoluto e prende-me. A dado momento o meu acto adquire importância exponencial, talvez mais do que deveria ter; talvez maximizado a algo que não correspondeu de verdade.

O que quero dizer é que o sentimento de falhar prende-nos ao passado; o não aceitar os erros mostra-nos uma realidade caiada de negro. Mas o tempo não volta atrás… e se voltar atrás  que seja para pensar o futuro. O futuro e o presente, esses sim, são tempos de opção, de correcção e de acção. São os tempos que nos desprendem do passado, que nos libertam.

Aniversário de Bento XVI

Bento XVIBento XVI celebra um duplo aniversário. Dia 15 de Abril festeja 80 anos e dia 19 o segundo ano de Pontificado.

Temos ainda bem presente o saudoso Papa João Paulo II, que pela sua fortaleza e audácia surpreendeu o mundo. Derrubou muros e construiuBento XVI celebra um duplo aniversário. Dia 15 de Abril festeja 80 anos e dia 19 o segundo ano de Pontificado.

Temos ainda bem presente o saudoso Papa João Paulo II, que pela sua fortaleza e audácia surpreendeu o mundo. Derrubou muros e construiu pontes entre os vários líderes políticos e religiosos. Foi esperança e exemplo para muitos fiéis. Para muitos jovens foi o único Papa que conheceram. Verdadeiramente um pai espiritual. Um representante de uma época de ouro, juntamente com Madre Teresa e Frei Roger.

Continue a ler ‘Aniversário de Bento XVI’

V Jornada da Pastoral Familiar

Famìia21 de Abril
Auditório do Colégio D. Diogo de Sousa
BRAGA

PROGRAMA

14h30 > Abertura

  • A gestão da solidariedade na família [P.e José Maia, Presidente das IPSS]

Intervalo

  • A gestão financeira no lar

19h00 > Encerramento

Continue a ler ‘V Jornada da Pastoral Familiar’

Mais um túmulo de Cristo [2]

JacoboviciNão é o facto de se encontrar um túmulo de Cristo que coloca em causa a fé de qualquer cristão. O destino final do corpo material de Cristo é desconhecido. A tradição da Igreja fala do corpo glorios, algo que não deixa de pertencer ao campo do mistério.

Os evangelhos relatam que Cristo ressuscitou e apareceu aos discípulos. Até para eles, que conviveram com Jesus, foi complicado acreditar. A dúvida assolou-lhes o espírito. Daí o episódio de Tomé, ícone da dúvida natural dos olhos humanos.

Continue a ler ‘Mais um túmulo de Cristo [2]’

O estranho

diferenteFace a alguém estranho temos duas maneiras de agir:

1. Acolher essa pessoa na sua diferença
2. Rejeitar

Rejeitar é talvez a opção mais fácil. Não implica um nosso esforço, um abrir de novos horizontes e que nos desinstalemos do nosso quotidiano pré-formatado.
Ora, acolher o outro na sua diferença é precisamente o êxodo a que somos chamados. Êxodo porque somos obrigados a sair de nós mesmos, do nosso pensamento muitas vezes atacado pelo reumatismo das certezas; obrigados a reconhecer que o mundo é mais amplo que a nossa aldeia, que o mundo não começou quando nascemos nem se confina na playlist do nosso IPOD.
Esta diferença faz-se sentir a muitos níveis: cultural, étnica, psicológica, vivencial, religiosa… na verdade cada ser humano é uma caixinha de surpresas.
Que vos parece? Gostava de vos ouvir…